Novo tratamento pode combater o câncer de mama com mais eficiência.

tenho-cancer-mama

Uma pesquisa demonstrou que a combinação da quimioterapia com o tratamento trastuzumabe é efetiva para diminuir os tumores de um subtipo de câncer de mama muito resistente.

No estudo, publicado no “Journal of National Câncer Institute“, participaram o Instituto de Oncologia do Hospital Vall d’Hebron de Barcelona (VHIO), o centro de Pesquisa do Câncer de Salamanca e outras entidades internacionais, como a Breast Cancer Research Foundation.

O estudo, dirigido por Joaquín Arribas, principal pesquisador do grupo de Fatores de Crescimento do VHIO e diretor do Programa de Pesquisa Pré-clínica, indica este novo tratamento para as pacientes com tumores na mama do subtipo de câncer denominado p95HER2, um subgrupo muito resistente aos tratamentos existentes.

MAIS DE 500 EXAMES LABORATORIAIS NA REGIÃO DO GRANDE ABC
www.ibabc.com.br

As pacientes com tumores de mama positivos p95HER2 são, aproximadamente, entre 8% e 10% de todos os doentes com câncer de mama, informou nesta segunda-feira o Hospital Vall d’Hebron, que liderou a pesquisa. Trata-se, segundo explicaram os oncologistas, de tumores difíceis de tratar porque são resistentes ao trastuzumabe, o fármaco mais utilizado contra câncer de mama HER2.

Agora, esta pesquisa demonstrou que acrescentar quimioterapia padrão ao tratamento destas pacientes, que por si só não é efetiva, aumenta a sensibilidade dos tumores p95HER2 positivos ao trastuzumabe. Portanto, a combinação de ambos os tratamentos é efetiva e abre um leque de possibilidades para estas pacientes.

Os pesquisadores viram que a quimioterapia ajuda a acumular os receptores HER2 na membrana celular, ou seja, os expõe ao fármaco e, portanto, permite que o trastuzumabe possa atuar facilmente nestas células com tumor e há um maior efeito.

Agora está sendo trabalhado em um teste clínico para comprovar que todos os resultados de laboratório se traduzem na prática em uma melhor resposta ao tratamento para que possamos oferecer uma alternativa a este subgrupo de pacientes que não respondiam aos tratamentos existentes“, detalhou Arribas.

Fonte: Terra

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s